PAISAGENS POTIGUARES

Mina Brejuí









Museu da Mina Brejuí









A Mina Brejuí está localizada no município de Currais Novos, em região de clima Semi-Árido, com dias quentes e noites agradáveis. Considerada a maior mina de Scheelita da América do Sul, a Mina Brejuí iniciou a exploração de suas atividades em 1943, data da descoberta do minério em nosso município. Somente em 1954, a Mina Brejuí foi constituída empresa com o nome de Mineração Tomaz Salustino S/A, sendo concessionário o Desembargador Tomaz Salustino Gomes de Melo.

A mineração em Currais Novos teve o seu apogeu em plena Segunda Guerra Mundial, fornecendo toneladas de minérios às indústrias do aço. Durante esse período, o progresso da sociedade se fez notar através da construção do Tungstênio Hotel, cinema, posto de puericultura, emissora de rádio, estádio de futebol, campo de pouso, colégios, hospital e casa do idoso.

Foi durante a Segunda Guerra Mundial, um período de esgotamento das reservas dos EUA. O americano sempre manteve uma reserva de tungstênio, mas com a guerra ele viu essas reservas diminuírem, ao mesmo tempo em que ficaram sem suas fontes nas minas da Europa e da Ásia.

Então eles se voltaram para o Nordeste. Os americanos estavam aqui desde 1940 para estimular a criação de minas e a descoberta de minérios estratégicos na época como a tantalita, berilo, columbita e scheelita.

O diferencial da Mineração Tomaz Salustino era o processamento e beneficiamento do tungstênio. Desde a descoberta da mina Brejuí em 1943, Tomaz Salustino, ele teve a orientação técnica de um engenheiro de minas com formação em metalurgia nos EUA. Esse engenheiro fez toda a projeção para o futuro da empresa como uma mineração mecanizada. Foi aos EUA e comprou todo o equipamento, máquinas, caminhões pesados, tratores. Esse investimento tornou a empresa muito rica. Em 1945 a empresa contava com cerca de 2 mil homens trabalhando no sistema de garimpo, extraindo minérios, a produção era somada e vendida praticamente toda para os EUA.

A partir dos anos 80, do século XX, inicia-se o declínio da mineração em consequência da oscilação dos preços internacionais da Scheelita e da utilização de outros minérios para a fabricação de artefatos industriais e tecnológicos, levando a Mina Brejuí a reduzir suas atividades de extração mineral e buscar novas alternativas econômicas.

Atualmente, as minerações do município de Currais Novos estão voltando às suas atividades, parcialmente, desde o final da década de 90. Já são mais de 300 empregos gerados até o momento.

Hoje a região do Seridó extrai mensalmente em média entre 40 a 45 toneladas de scheelita e tungstênio.

Além da volta das atividades minerais, a Mina Brejuí tornou-se nos últimos anos o maior parque temático do Rio Grande do Norte, sendo visitada diariamente por turistas e estudantes vindos de toda parte do Brasil e do Exterior. Mais de 20 mil turistas nos últimos anos.

Museu da Mina Brejuí

O Museu Mineral Mário Moacyr Porto, também conhecido como Museu da Mina Brejuí está situado na Mina Brejuí, no município de Currais Novos, representa uma amostra das riquezas minerais da região do Serido. Construído pela Mineração Tomaz Salustino, através do esforço e dedicação da Sra. Nia Dutra, assessora de marketing e turismo, que com a criatividade do Sr. Jerônimo Alves e o apoio da atual diretoria, dos seus funcionários e técnicos, souberam construir uma belíssima obra cientifica e cultural, elogiada por todos que tiveram a felicidade de apreciar tão rico acervo mineral.

Esse Museu veio enriquecer os atrativos turísticos da Mina Brejui que já foi visitada por mais de 60 mil turistas.

O MUSEU MINERAL e o MEMORIAL TOMAZ SALUSTINO poderão ser visitados diariamente.Para grupos de mais de 10 pessoas solicita-se o agendamento prévio, através dos fones (84) 3412-3141 e 3431-1823.

Acesse também:
PAISAGENS DO SERIDÓ

Foto: Canindé Soares / Paula Trigueiro / A/D - Arquivo OpenBrasil.org
Paisagens Potiguares - OpenBrasil.org

Postagens mais visitadas

Imagem

Lagoa de Jacumã